Deixe um comentário Cidades

Contaminação generalizada por agrotóxicos explica mortandade de abelhas


São Paulo – O uso recorrente de agrotóxicos nas lavouras brasileiras está diretamente relacionado à mortandade de abelhas, que leva ao risco de extinção desses importantes agentes polinizadores. O alerta é do pesquisador Dayson Castilhos, que estudou o tema para seu doutoramento em Ciência Animal pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa).

As abelhas são responsáveis pela polinização de mais de 70% das espécies vegetais, entre elas árvores, arbustos e plantas que fornecem frutos, cereais, legumes.

Em entrevista a Patrícia Fachin, do site do Instituto Humanitas Unisinos (IHU), Castilhos afirmou que a contaminação das abelhas e as perdas de colônias são um indicador biológico amplo, que vai para além da saúde das polinizadoras: revela a saúde do meio ambiente.

“Podemos pensar: se as abelhas estão contaminadas, então tudo mais também pode estar contaminado em maior ou menor nível de contaminação, como o solo, a produção agrícola, a pecuária, os humanos e os biomas”, afirma o pesquisador.

Para chegar a essa conclusão, ele analisou dados sobre morte de abelhas no país desde  2013. Mas foram os registros feitos por apicultores no aplicativo Bee Alert e resultados de testes toxicológicos nos insetos mortos coletados nos apiários que permitiram ao pesquisador constatar os altos níveis de agrotóxicos nesses insetos. De todas as abelhas mortas, havia contaminação em 92% delas. E entre as abelhas vivas analisadas, 14% estavam contaminadas.

“Conseguimos determinar o índice de mortalidade de colônias em todo o Brasil, com destaque para os estados mais impactados como Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, com grandes áreas de cultivo regados a agrotóxicos.

Nesses estados, dentre os apicultores que perderam abelhas o índice de perda de colônias chegou a 52%”, afirma Castilhos, que é graduado em Engenharia Eletrônica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), tem mestrado em Meio Ambiente, Tecnologia e Sociedade (ATS) pela Ufersa. 

O pesquisador não descarta outros fatores para a morte das abelhas, como a própria condição dos biomas, que podem afetar sua saúde. No entanto, nos apiários localizados próximos a áreas agrícolas, as abelhas morrem pela contaminação dos agrotóxicos usados nas lavouras.

“Nós analisamos somente os sete agrotóxicos da classe dos neonicotinoides  mais o fipronil, mas existem hoje no Brasil 646 desses produtos  comercializados. Sem contar com os ‘falsificados e ilegais’ que se consegue encontrar”, adverte Castilhos que, no geral, aponta o uso de venenos nas lavouras como um hábito já “cultural” dos produtores.

“O produtor agrícola usa o agrotóxico mesmo sem necessitar, acreditando que vai prevenir a perda de produção, mas na maioria das vezes essas aplicações são desnecessárias”, afirma o pesquisador.

 Leia a íntegra da entrevista de Patricia Fachin, no IHU


Deixe um comentário Política

Governo Bolsonaro suspende financiamento para agricultura familiar


São Paulo – O BNDES suspendeu novamente o repasse de verbas para investimentos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). A Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) estima em R$ 800 milhões o montante que deixará de ser repassado aos trabalhadores, sendo que projetos da ordem de R$ 350 milhões já haviam sido apresentados, apenas no Banco do Brasil, que representa metade desse tipo de financiamento. Além disso, o governo de Jair Bolsonaro (PSL) deixou de repassar ao menos R$ 6 bilhões dos R$ 30 bilhões anunciados para a safra 2018/2019 da agricultura familiar.

O financiamento já havia sido suspenso em 8 de março. Após negociações, os valores tinham sido autorizados em 29 de abril, mas foram novamente suspensos no dia seguinte. “Estimamos em R$ 800 milhões a demanda de projetos para investimento. É verba para compra de tratores e equipamentos, para construir espaços para animais, para acondicionar e transportar a produção. É o que permite aos trabalhadores melhorarem a produção no ano seguinte. Só de projetos já apresentados precisamos de R$ 350 milhões, isso só no Banco do Brasil, porque ainda não levantamos todos os bancos”, explicou o secretário de Política Agrícola da Contag, Antoninho Rovaris.

De acordo com a Circular SUP/Adig 14/2019, do BNDES, todo o recurso disponível para investimentos no Ano Agrícola 2018/2019 foi consumido. O documento informa que o banco está negociando com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento alternativas para remanejamento de recursos pelo Tesouro Nacional para a linha de crédito do Pronaf Investimento. “Nós vamos oficiar ainda hoje os ministérios da Agricultura, da Economia e o Banco Central para conseguir uma solução rápida para os projetos parados”, ressaltou Rovaris.

O secretário da Contag explicou que a safra atual não será afetada pela suspensão do financiamento, já que todas as ações necessárias já foram realizadas, apesar de o governo Bolsonaro ter repassado somente R$ 24 bilhões dos R$ 30 bilhões orçados para a agricultura familiar na safra 2018/2019. “Mas isso vai atrasar os projetos de melhoria e os avanços na agricultura familiar que poderiam melhorar e aumentar a produção para a próxima safra”, salientou. Ainda segundo Rovaris, não há definição sobre o programa para o próximo período, apenas algumas falas da ministra da Agricultura, Tereza Cristina. “Ainda é uma incógnita”, concluiu.


Deixe um comentário Educação

Parlamentares querem discutir corte nas federais com o ministro da Educação


São Paulo – Deputados integrantes da Frente Parlamentar em Defesa das Universidades Federais e da Comissão de Educação da Câmara querem um encontro com o ministro da Educação Abraham Weintraub para a próxima semana. O objetivo é discutir o corte de 30% do orçamento das universidades  antes do próximo dia 15, quando ele é esperado na reunião ordinária da Comissão.

“Nós vamos procurá-lo nos próximos dias porque a situação que se anuncia é aflitiva e nós não podemos cruzar os braços. E vamos também promover uma grande articulação no Congresso”, disse à RBA a integrante da coordenação da Frente e suplente da Comissão de Educação, a deputada Margarida Salomão (PT-MG).

A parlamentar defende ainda uma articulação com a sociedade em defesa da rede federal de ensino superior. “Ao longo da história, desde o período do governo militar, as universidades sempre foram defendidas pela sociedade, por aqueles que historicamente se beneficiam da universidade. E atualmente temos também o apoio popular, muito relevante, porque hoje entrou na imaginação das classes mais populares o sonho, que na verdade é um direito, de ingressar em uma universidade.”

Nesta terça-feira (30), Weintraub anunciou o bloqueio de 30% do orçamento das 60 universidades federais e dos 40 institutos federais de Educação espalhados pelo país. As primeiras afetadas pela medida foram as de Brasília (UnB), da Bahia (UFBA) e Fluminense (UFF).

De 2014 a 2018, a rede federal teve queda nos investimentos da ordem de 15%, passando de R$ 39,2 bilhões para R$ 33,4 bilhões.

Reitora da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) de 1998 a 2006, Margarida Salomão avalia como “profundamente inadequado” o discurso do ministro sobre a possível “balbúrdia”, e falta de produção acadêmica, que estaria ocorrendo nas universidades. 

“Ele foi muito infeliz ao apontar a UnB, a UFBA e a UFF, porque essas três estão entre as mais bem ranqueadas no Brasil e na América Latina. Ao se dar conta dessa impropriedade e, mais ainda, dessa ilegalidade – porque não tem nenhuma fundamentação – ele produziu uma emenda pior do que o soneto”, disse a deputada, referindo-se ao contingenciamento de 30% no orçamento de todas as universidades federais, que na prática está menor que o do ano passado, enquanto o número de matrículas na graduação continua a crescer.

“Se pegarmos o orçamento e dividir pelo número de matrículas, veremos que estamos com um coeficiente menor do que aquele que encontraríamos em 2016. E o ministro da Educação, que embora seja professor de universidade federal, demonstra um profundo desconhecimento da realidade das universidades. Acha que é possível produzir com estrangulamento ainda maior do que tínhamos do desempenho financeiro orçamentário das universidades.”

A ex-reitora destaca a rede federal como um patrimônio da sociedade brasileira, e sua importância para o país na busca da retomada do desenvolvimento. “Nós estamos com a economia estagnada. E se olharmos para fora, sabemos que as empresas mais valiosas, nas atividades mais importantes, são aquelas que têm o conhecimento como o seu capital.”

Nessa perspectiva, acredita que não apenas essas instituições, mas o país. ficará comprometido se deixar de investir no setor, que é responsável pela  formação de quadros funcionais, técnicos e pesquisadores da melhor qualidade.

Creches

Margarida Salomão avalia como estúpido o projeto do ministro Abraham Weintraub, também anunciado esta semana, de canalizar recursos das universidades para as creches. “É uma estupidez. Na verdade, essa dicotomia que se procura estabelecer entre a educação fundamental e superior não tem nenhuma razão de ser”.

Ela lembrou a aprovação por unanimidade, em 2014, do Plano Nacional de Educação (PNE). No conjunto das metas, a ampliação dos investimentos em educação em todos os níveis para que, em 2024, a educação pública, das creches à pós-graduação, contasse com 10% do PIB.

“É preciso lembrar que quem forma professores para a educação fundamental e oferece educação continuada para esses mesmos professores é o sistema universitário, e destacadamente o sistema público. O Brasil precisa investir em creches – hoje temos 30% das crianças na idade alvo matriculadas em creches – isso é uma tragédia que vai repercutir ao longo da vida. Essas crianças que não são cuidadas são aquelas que terão mais dificuldades para ingressar em uma universidade. Então essas coisas estão ligadas de forma visceral. Não tem como fazer uma distinção ou priorização.”

Teto dos gastos

Embora a Constituição estabeleça a União como responsável pelo Ensino Superior, os estados pelo Ensino Médio e os municípios pela Ensino Fundamental e Infantil, o orçamento de todas as esferas está comprometido pela Emenda Constitucional (EC) 95/2016, que reduz investimentos na área social.

“Essa mutilação que o orçamento sofreu em 2016, é a grande razão pela qual o ministro da Economia, Paulo Guedes, precisa achar R$ 1 trilhão. Ele tem de tirar do orçamento para poder adequá-lo a essa monstruosidade que é o congelamento dos investimentos sociais em um país que é dos mais desiguais do mundo, que estava em um processo positivo de evolução do seu IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) e que de repente tem todo esse processo interrompido”, lamenta.

Margarida acredita que a Frente Parlamentar pela Valorização das Universidades Federais será importante na resistência aos retrocessos impostos desde o governo de Michel Temer (MDB) que se aprofundam com Jair Bolsonaro (PSL).

“Trata-se de uma articulação que vai além da esquerda. É na verdade um interesse nacional. Educação é política de Estado. Isso não pode flutuar segundo o gosto do governo.”


Deixe um comentário Geral

Economia brasileira está em depressão e no fundo do poço, avaliam economistas


É possível que o PIB no primeiro trimestre seja negativo. Nesse caso, o país estará na antessala da recessão. Problema imediato é o desemprego, mas o foco do governo é nas ‘reformas’ .

A retração na produção industrial em 1,3% de fevereiro para março, e de 6,1% na comparação com março de 2018, segundo números do IBGE, já era um cenário esperado, levando-se em conta as políticas, ou não políticas, do governo Jair Bolsonaro (PSL), que completou quatro meses neste início de maio. “Havia esperança de recuperação com a PEC do teto de gastos, assim como aconteceu com a reforma trabalhista (ambas no governo Michel Temer). Agora, com o novo governo pró-mercado, a aposta era de que as reformas iam dinamizar a economia, mas isso mais uma vez se frustra, como em 2016, 2017 e 2018”, avalia Guilherme Mello, professor do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

O Brasil está em depressão há quatro anos e nada indica a superação desse quadro. Na literatura de Economia, isso é chamado “histerese”: se o crescimento é muito abaixo do potencial durante muito tempo, isso afeta o potencial futuro de crescimento. “Os efeitos dessa depressão vão se refletir no futuro”, diz Mello. 

O clima de depressão, segundo ele, é análogo ao diagnóstico de depressão no sentido psicanalítico, quando a pessoa não tem vontade de viver, não quer sair da cama e não tem “vitalidade”. “As frustrações recorrentes apontam para um menor potencial de crescimento no futuro. As previsões de crescimento para 2020 também são baixas. E 2019 já é um ano que não foi.”

Não é apenas a indústria que está em crise. Nota da coluna Painel S.A. da Folha de S. Paulo desta sexta-feira (3) informa: “Ano já acabou para a construção civil”. “A estimativa é que o PIB do setor suba 1% a 2%, mas impulsionado pelo mercado informal, não pelas construtoras”, diz a nota.

João Sicsú, professor do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), avalia que a economia brasileira está em estado de depressão há quatro anos, pelo menos. Ele usa outra imagem para ilustrar a situação da economia do país.

“Ela mergulhou no fundo  do poço e está lá, dando suspiros. Nesses suspiros, às vezes há sinais positivos, às vezes negativos. O saldo é que caminhamos no fundo do poço e estamos nessa situação. Desde o final de 2014, e em 2015 e 2016, mergulhamos no poço. E em 2017, 2018 e 2019, estamos dando suspiros dentro do fundo do poço.” Nos últimos quatro anos, o PIB brasileiro cresceu 0,50% em 2014, caiu em 2015 e 2016 (-3,55% e -3,31%, respectivamente) e subiu 1,12% em 2018.

Sicsú  aponta que Bolsonaro foi eleito com a expectativa de melhoria econômica, mas não tem apresentado nenhum programa de retomada do crescimento e redução do desemprego, e seu foco econômico são as “reformas estruturais”, com destaque para a da Previdência, a mais importante para o mercado, e as privatizações.

“Independentemente de se concordar com elas, o fato é que não dão nenhum resultado imediato. Portanto, o governo não tem instrumento de combate à depressão”, diz Sicsú. “O problema imediato é o desemprego, que só pode ser reduzido com política de retomada de crescimento, que não é o foco do governo. O resultado é a continuidade do estado de depressão.”

O país não está em recessão (o que tecnicamente se caracteriza com queda do PIB por dois trimestres seguidos), mas está no limiar dela. No quarto trimestre de 2018, a vitória eleitoral do atual presidente não deu resultados esperados pelos otimistas, e o PIB teve crescimento praticamente zero (0,1%). Em 2018, o crescimento foi de apenas 1,1%.

Existe possibilidade de o PIB no primeiro trimestre de 2019 ser negativo, embora isso não seja certo. “Se for negativo, significa que estamos na antessala da recessão”, diz Mello. “Basta que o segundo trimestre confirme o viés negativo.” Na opinião do economista, se a greve geral for um sucesso, enfraquece muito a reforma da Previdência, o que afetaria o ânimo de mercado financeiro, poderia provocar aumento dos juros e algum impacto no câmbio.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, o Bradesco e o Itaú Unibanco “pioraram suas análises em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre”. A projeção do Itaú para o período “saiu de baixa de 0,1% para retração de 0,2%”, diz a matéria do Estadão.


Por Antônio Cruz/Agência Brasil